Dicas de Leitura

O Despertar do Lírio – Babi A. Sette

postado em fevereiro 14, 2017

Bom dia meus Amores!!!! Mais uma vez embarquei em uma viagem pelo século 19 e conheci a estória de amor entre Lilian e Simon. Confira agora o que achei de “O Despertar do Lírio”, segundo livro da série Flores da temporada, de Babi A. Sette.

Sinopse

Lilian Radcliffe é uma jovem viúva e está feliz com sua vida isenta de emoções. Culpa do luto que não larga? Lilian jurou fidelidade ao marido no leito de sua morte.

Paralelo a isso, conhecemos Simon Thorn, homem frio e libertino, dono do maior antro de casa de jogos de Londres. Ele está a um passo de realizar seu plano de vingança contra o culpado pelo título de assassino que recebera anos atrás. O problema é que o canalha está morto e ele terá de usar a sua viúva recatada a fim de atingir seus objetivos.

De um lado, ela precisa manter sua honra intacta; de outro, ele quer seduzi-la e desmoralizá-la. No entanto, Lilian nunca se sentiu tão vulnerável e atraída por um homem. E Simon, por sua vez, demonstra sentimentos dos quais nunca imaginara sentir por uma mulher. A vingança e a honra se abalam quando nasce entre ambos uma paixão incontrolável. Mas, para ficarem juntos, terão de enfrentar segredos e mágoas profundas, um castelo trancado há seis anos, palco de uma morte misteriosa e, sobretudo, encarar os fantasmas do passado que assombram suas consciências.

Resenha

Não é segredo nenhum que me apaixonei pelo livro “A Promessa da Rosa” –  meu amor foi tamanho que confesso que tive um receito de ler O Despertar do Lírio, sua continuação, e me decepcionar. – Afinal, depois de uma leitura tão arrebatadora como a autora seria capaz de se superar? Confesso que minhas expectativas foram injustas, mas que a obra não só me surpreendeu como também provou o tamanho do talento da Babi. A nova história da série Flores da Temporada talvez não seja tão dramática e emocionante quanto seu volume antecessor, mas é fato que a leitura é envolvente e pra lá de apaixonante.

A trama gira em torno de Lilian, irmã mais nova da protagonista de A Promessa da Rosa – Kathe. Por causa do que aconteceu com a sua irmã, Lilian foi obrigada à ver e vivenciar o declínio e a morte dos seus pais, foi obrigada a conviver desde a adolescência com a solidão imposta pela sociedade, perdeu a oportunidade de debutar e conseguir um casamento por amor, com isso escolheu levar uma vida correta movida pelas leis da sociedade inglesa e, como única opção para não cair em total ruína, acabou presa em um casamento sem paixão com seu primo. Mas ao contrário do que pode parecer, Lilian não reclama da vida. Ou pelo menos é nisso que ela finge acreditar.

Neste livro fomos presenteados com Simon, um barão rejeitado pela sociedade, manchado por um boato de ser o responsável pela morte da sua esposa – a baronesa, por isso a aristocracia inglesa transformou-o no barão assassino, mesmo não tendo provas para tal ato. Por anos ele se foi obrigado a viver com os olhares tortos, as fofocas, os sussurros por onde ele passava e já que ele tinha a fama resolver mostrar o que eles queriam um assassino, um cruel e leviano barão. Contudo, Simon quer mais do que brincar com a sociedade, ele quer vingança por todos os sonhos que foram destruídos, pela perda da sua vida tranquila no campo. E com isso em mente é que ele traça um diabólico plano: seduzir a viúva mais pura e honrada da sociedade, que por acaso é nossa protagonista Lilian, e destruir seus sonhos, seu coração e, principalmente, sua reputação.

Mas apesar dos dois protagonistas afirmarem que não se importam com a opinião alheia, seus reais pensamentos e ate mesmo algumas atitudes mostram o contrário. A doce Lilian foi criada pela mãe para ser uma dama da sociedade portando-se seguindo todas as regras impostas para tal, ou seja, não sorrir em demasia, não falar em excesso e sim somente o que foi perguntado e quando perguntado, para andar graciosamente e acima de tudo para ser uma esposa maravilhosa. Depois de tudo que passou Lilian só deseja ser uma mulher de respeito – mesmo que isso signifique uma vida solitária e sem amor. Já Simon é um homem bom que se deixou corromper pelos acontecimentos. Assim nos foram apresentados nossos protagonistas que lutam para manter falsas aparências. Mas sabe qual é o problema? A natureza de ambos não é assim e a verdade uma hora sempre vem a tona, nos obrigando a abandonar nossas máscaras. E desta forma quando o nosso lindo e charmoso barão Simon, aparece na vida de Lilian ele desperta nela sensações inebriantes, as quais a fazem abandonar o pudor e lutar por um futuro diferente. Já para Simon o que começa com a pura sede de vingança toma um rumo surpreendente.

A história é narrada em terceira pessoa, com foco principal em Lilian e alguns momentos em Simon. Com uma narrativa apaixonante e envolvente, a autora nos leva, mais uma vez, a um passeio pelo século 19, mostrando os costumes e tradições da época através da protagonista Lilian. Detalhes na medida certa e uma linguagem simples fazem com que a leitura flua agradavelmente, nos fazendo sonhar e viajar por entre as páginas.

O despertar do lírio me cativou desde as suas primeiras páginas. Confesso aqui que ri, chorei, me emocionei, me encantei. O romance é mais leve do que A promessa da rosa, mas nem por isso deixa de ser bom, pelo contrário, é tão lindo que se tornou um dos meus favoritos. Em cada página lida fui me encantando com a obra e refletindo com as suas mensagens subliminares. Assim como o título, trata-se de uma história sobre despertar: despertar para a vida, para a felicidade e, principalmente, para o amor.

Babi mais uma vez me surpreendeu e me encantou com a delicadeza com que constrói suas histórias e personagens. Sou fã e a minha admiração só cresce mais a cada livro!!!!!

 

 


BABI A. SETTE nasceu em São Paulo, porém até os doze anos morou em quatro estados diferentes do Brasil. Ama viajar e conhecer novos lugares, e escreve sobre as cidades do mundo que teve a oportunidade de visitar. Acredita que todo o lugar que conhece ela deixa um pouco de si e carrega um pouco do lugar consigo, chegando a carregar pedaços do mundo todo.
Formada em Comunicação Social, sente-se metade socióloga e a outra, psicóloga. Isso porque ama as pessoas, as suas emoções e histórias

 

Fernanda Tusutiya
Fernanda Tusutiya

posts relacionados

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *